Publicado em: 12 de novembro de 2014

Os atos fazem parte da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida; Algumas cidades, como Porto Alegre, Rio de Janeiro e Cuiabá já confirmaram participação no Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos


No próximo dia 03 de dezembro, a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida realiza diversas atividades pelo país para exigir melhor qualidade na produção de alimentos. O fim da pulverização aérea de agrotóxicos, além da reforma política, bem como a redução do peso dos interesses econômicos atuais na produção agrícola são alguns dos pontos defendidos.

A campanha ainda ressalta a importância de se debater, na Câmara e no Senado, um maior número de projetos que visem o fortalecimento da agricultura familiar – que garante a produção de 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros – e que reduzam a produção de alimentos envenenados. A Campanha ressalta ainda, por exemplo, que depois das últimas eleições houve um aumento de membros no Congresso Nacional que dizem se identificar com a chamada “bancada ruralista”, que representam os interesses de cerca de 1% dos proprietários de terra no Brasil que dominam 44% das terras agricultáveis, sendo também os responsáveis pela aprovação de leis que facilitam o uso de mais agrotóxicos.

A data

A escolha da data para as atividades é proposital. Nela celebra-se o Dia Internacional do Não Uso de Agrotóxicos, estabelecido pela Pesticide Action Network (PAN) após o desastre químico ocorrido em Bophal (Índia), em 1984. Na ocasião, quase 40 toneladas de gases tóxicos utilizados na elaboração de um praguicida vazaram e se dissiparam pela cidade. Morreram 30 mil pessoas, oito mil só nos três primeiros dias. Ainda hoje, estimativas indicam que 150 mil pessoas sofrem de doenças crônico-degenerativas causadas pela exposição aos gases letais. A região nunca foi descontaminada e continua representando um perigo à população.

Fonte: Brasil de Fato