Publicado em: 18 de dezembro de 2018

O Cerrado, definido pelo Mapa dos Biomas Brasileiros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2004, possui 2.036.448 km2 de extensão e corresponde a 24% do território brasileiro

Por INPE, no EcoDebate

Por meio do projeto chamado PRODES Cerrado, foram analisadas 118 imagens do satélite Landsat 8/OLI para registrar e quantificar as áreas desmatadas maiores que 1 hectare. O PRODES Cerrado considera como desmatamento a supressão da vegetação nativa, independentemente da futura utilização destas áreas.

Este valor é 33,8% menor que a taxa registrada em 2010, ano em foi lançado o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Cerrado (PPCerrado), atualmente coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA).

O mapeamento faz parte do projeto “Desenvolvimento de Sistemas de Prevenção de Incêndios Florestais e Monitoramento da Cobertura Vegetal do Cerrado Brasileiro”, financiado pelo Programa de Investimento Florestal (FIP), administrado pelo Banco Mundial. Seus resultados são usados pelo governo brasileiro para avaliação e estabelecimento de políticas públicas relativas ao controle do desmatamento e ações voltadas a temática de REDD+. São também relevantes para toda a sociedade por seu potencial de contribuição na origem e rastreio de conformidade ambiental da produção agropecuária.

O projeto é coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o INPE é responsável pelas atividades de monitoramento da cobertura vegetal do Cerrado.

Cerrado, definido pelo Mapa dos Biomas Brasileiros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2004, possui 2.036.448 km2 de extensão. Corresponde a 24% do território brasileiro e abrange os estados da Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Paraná, Rondônia, São Paulo, Tocantins e o Distrito Federal. Somados aos dados já produzidos pelo INPE para a Amazônia, este novo monitoramento da cobertura do Cerrado, usando imagens de satélites de observação da Terra, garante uma base de informações sobre o desmatamento em áreas de vegetação natural de 73% do território brasileiro.

A Tabela 1 apresenta a distribuição do desmatamento para o ano de 2018 nos Estados que compõem o Cerrado. Já a Tabela 2 mostra a comparação com as respectivas medidas para o ano de 2017.

Tabela 1 – Contribuição do desmatamento por estado do bioma em 2018

Estado PRODES Cerrado 2018 (km2) Contribuição (%)
BA 697,40 10.5
DF 8,18 0.1
GO 713,62 10.7
MA 1472,67 22.1
MG 473,04 7.1
MS 258,75 3.9
MT 1001,65 15.0
PI 482,87 7.3
PR 0,58 0.0
RO 0,42 0.0
SP 14,63 0.2
TO 1533,21 23.0
Cerrado 6.657,01 100

 

Tabela 2 – Comparação entre dados de 2017 e 2018

Estados PRODES Cerrado 2017 (km2) PRODES Cerrado 2018 (km2) Variação
BA 783.34 697,40 -11.0%
DF 5,49 8,18 48.9%
GO 842,39 713,62 -15.3%
MA 1486,27 1472,67 -0.9%
MG 512,38 473,04 -7.7%
MS 285,42 258,75 -9.3%
MT 1.253,49 1001,65 -20.1%
PI 599,38 482,87 -19.4%
PR 2,45 0,58 -76.4%
RO 0,22 0,42 89.1%
SP 3,72 14,63 293.8%
TO 1699,71 1533,21 -9.8%
Cerrado 7474,26 6.657,01 -10.9%

 

Os gráficos abaixo mostram a série histórica do PRODES para o bioma Cerrado e a variação relativa anual das taxas de desmatamento.


Figura 1 – Desmatamento anual no bioma Cerrado de 2001 a 2018


Figura 2 – Variação relativa anual do PRODES Cerrado no período 2002 a 2018

(Foto: Pedro Ventura /Agência Brasília)