Publicado em: 6 de abril de 2017

Semiárido Solar é o nome do projeto da Cáritas em parceria com a Misereor que possui três eixos básicos: incidência política, instalação de unidades e demonstração e capacitação

Por Kaique Santos, do Observatório

Três municípios do sertão paraibano estão sendo atendidos pelo projeto chamado de Semiárido Solar. Criado pela Cáritas Brasileira em parceria com a Misereor, o projeto tem como objetivo fortalecer alternativas aos efeitos negativos das mudanças climáticas em áreas vulneráveis no semiárido paraibano e possui apoio do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social (FMJC) e do Comitê de Energias Renováveis do Semiárido (CERSA).

Incidência política, instalação de unidades e demonstração e capacitação são os três eixos básicos do projeto Cáritas/Misereor.

Conheça o Banco de Práticas Alternativas

A via da incidência política passa por analisar a legislação existente relacionada às energias renováveis nos Estados nordestinos em encontros de conscientização com poder público e sociedade civil organizada.

Já a instalação de unidades demonstrativas se refere à instalação de tecnologias solares em áreas rurais e urbanas com o objetivo de mostrar a importância delas no enfrentamento das mudanças climáticas. Em novembro de 2016, materiais e equipamentos foram estocados nos municípios de Patos, Pombal e Sousa – todos da Paraíba –, até o início do processo de instalação, que deve ocorrer até julho deste ano.

A parte de capacitação vai oferecer oficinas, cursos de extensão e seminários e busca atender a demanda de diferentes públicos ao longo do projeto.

A energia solar pode ser usada como alternativa em eletrificação de cercas para contenção de bovinos, caprinos e ovinos, bombeamento de água e iluminação pública em áreas rurais e urbanas.

___

O projeto “Fortalecimento de alternativas em áreas vulneráveis aos efeitos negativos das mudanças climáticas no semiárido paraibano” integra o Banco de Práticas Alternativas, uma iniciativa da Abong em parceria com o Iser Assessoria integrante do Projeto Novos Paradigmas de Desenvolvimento – pensar, propor, difundir.

Saiba mais sobre a experiência e conheça o Banco de Práticas Alternativas!