Publicado em: 4 de fevereiro de 2015

Edson Aparecido da Silva, coordenador da Frente Nacional de Saneamento Ambiental: “Entidades, movimentos e articulações envolvidos na luta pela água vão ter de atuar em conjunto, coletivamente mesmo”

Desde 1993, todo 22 de março é celebrado o Dia Mundial da Água. Ele foi instituído pela Organização das Unidas (ONU) durante a sua Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Eco-92, no Rio de Janeiro.

O tema de 2015: Água e Desenvolvimento Sustentável, que será discutido no mundo inteiro inclusive no Brasil.

No Estado de São Paulo, especificamente, um aspecto norteará o debate: a crise hídrica na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), cujo grande responsável é o governador Geraldo Alckmin (PSDB) Com cumplicidade da mídia tradicional que “comprou” e “vendeu” à população a versão tucana de que a culpa é de São Pedro, poupando incompetência e a irresponsabilidade do governo Alckmin de não ter investido em novos mananciais, como estava previsto desde 1995.

A agenda para o Dia Mundial está sendo montada pelo Coletivo de Luta pela Água, criado em 20 de janeiro por dez entidades ligadas a movimentos sociais, sindical e gestores municipais de saneamento.

“No dia 20 de março, promoveremos o Tribunal Popular da Água, que julgará a responsabilidade do governador em relação à crise”, revela em primeira mão ao Viomundo Edson Aparecido da Silva, coordenador da Frente Nacional pelo Saneamento Ambiental. “Além disso, estamos preparando uma representação ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE-SP) com intuito de responsabilizar criminalmente o governador Alckmin pela crise da água.”

Confira a íntegra da nossa entrevista:

Viomundo — Até o momento o que se vê é  uma ou outra manifestação em relação à crise da água em São Paulo. O que está acontecendo?

Edson Aparecido da Silva – Existe, ainda, uma grande dificuldade de mobilização em torno do tema da água. A maioria das pessoas ainda acha que o problema é dos outros e não dela. Na hora em que elas sentirem, de fato, a falta da água para as necessidades básicas do dia a dia, acredito que o comportamento da população irá mudar.

Viomundo — Depois da reunião da Arsesp (agência reguladora de saneamento e energia ligada ao governo do Estado de São Paulo) ficou combinado que as organizações iriam atuar em conjunto, até para dar mais força e legitimidade. Por que a Proteste saiu sozinha e fez aquela manifestação com uns poucos gatos pingados?

Edson Aparecido da Silva – Esse episódio reforça a necessidade de as várias entidades, movimentos e articulações envolvidos na luta pela água e/ou de defesa do consumidor atuarem em conjunto para a realização de grandes manifestações.

Viomundo — Ou seja, agir coletivamente em vez de ser na base “do eu comigo meu umbigo”? 

Edson Aparecido da Silva –  A construção de certas atividades tem que ser coletiva, mesmo.  As pessoas às vezes se entusiasmam com as milhares de adesões no Facebook e que acham o evento vai bombar. Na hora H, aparecem poucas pessoas. A gente tem de atuar no concreto. O Facebook é só um instrumento para ajudar a divulgar. Não substitui o corpo a corpo.

Viomundo —  Certas ações isoladas  parecem disputa de egos, pra ver quem é na melhor na área. Isso não é um tiro no pé, ou melhor, ou tiro na água?

Edson Aparecido da Silva –  Infelizmente é muito comum uma certa disputa pelo protagonismo das ações. Pura bobagem. Essas disputas enfraquecem o movimento e fortalecem os responsáveis pela crise da água.

 Viomundo – É possível unir todos os órgãos, entidades e movimentos preocupados com a crise da água em torno de uma pauta única?

Edson Aparecido da Silva – Sem dúvida, temos que trabalhar nessa perspectiva. Apesar dos movimentos terem características e composições próprias, creio que é possível construirmos agendas unitárias.

 Viomundo — Como viabilizar isso?

Edson Aparecido da Silva – Por exemplo, no dia 20 de janeiro, dez entidades ligadas a vários movimentos e organizações criaram o Coletivo de Luta pela Água. Ele vem se somar a outras articulações importantes que já existem como: Aliança pela Água, De Olho nos Mananciais, Assembleia Estadual da Água, Movimento Itu vai Parar, Coletivo Curupira, entre outros. Iniciamos uma série de conversas no sentido de, na medida do possível, unificarmos nossas ações. Eu, por exemplo, defendo um encontro estadual de todas as articulações de luta pela água como forma de dar visibilidade e força para esses movimentos. Também queremos fomentar e ajudar na criação de “Comitês de Luta pela Água locais e ou Regionais” para envolver a população afetada lá na ponta, especialmente na periferia, onde ocorre a falta de água desde o início de 2014.

Viomundo – O Coletivo de Luta pela Água já tem um calendário de ações previstas?

Edson Aparecido da Silva  – Sim. No dia 20 de janeiro quando criamos o Coletivo, iniciamos uma “Jornada de Luta pela água”, que não tem prazo para acabar. Inicialmente, teremos, pelo menos, dois eventos importantes. No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, nós participaremos de atividades organizadas por coletivos de mulheres relacionadas à crise da água. No dia 20 de março, realizaremos o Dia de Luta pela Água,  com diversas manifestações. Também no dia 20 de março promoveremos o Tribunal Popular da Água, que julgará o governador pela responsabilidade em relação à falta da água. Além disso, estamos preparando uma representação ao MPE-SP com intuito de responsabilizar criminalmente o Governador pela crise. A ideia é que várias entidades subscrevam a representação.

Viomundo – O que nós, cidadãos e cidadãs, podemos fazer?

Edson Aparecido da Silva –É muito importante que o cidadão saiba que não está sozinho e que existem vários movimentos lutando para que essa crise o afete o menos possível. Mas para isso é importante que os cidadãos e cidadãs se informem e ajudem a criar comitês locais. Convidem pessoas das organizações para darem palestras nas associações de moradores, na igreja nas escolas, no clube. E têm que exigir que a Sabesp e o governo do Estado façam sua parte e não continuem penalizando e responsabilizando o povo pela crise.

PS do Viomundo: Nesta quarta-feira 4, às 10h, o Coletivo de Luta pela Água dará uma entrevista à imprensa. Participarão a Frente Nacional de Saneamento Ambiental, CUT, Rede Nossa São Paulo, Central de Movimentos Populares (CMP) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (Mabe), entre outras entidades. Além da apresentação do Coletivo, o grupo pretende apresentar medidas para ajudar a minimizar a crise hídrica, principalmente para a população mais pobre. Será na sede da Frente Nacional de Saneamento Ambiental, à rua Machado de Assis, 150.

Fonte: Viomundo