Publicado em: 10 de julho de 2017

Desde pequenas/os somos educadas/os para representarmos papéis criados socialmente e culturalmente e com os quais, por vezes, estamos tão acostumadas/os que até parecem “naturais”. Esses papéis são aprendidos em diversas relações e através das instituições onde nos socializamos, dentre elas a escola. Assim, meninos e meninas vêm sendo educados/as de forma diferente e nesta educação diferenciada encontramos muitos elementos que sustentam as desigualdades entre os gêneros, contra os quais lutamos cotidianamente!

(fonte: Plan Brasil)
(Fonte: Plan Brasil)

Quando falamos em igualdade entre os gêneros partimos da compreensão que em nossa sociedade, as diferenças entre homens e mulheres são comumente remetidas ao sexo, às características físicas, tidas como naturais e imutáveis, que “justificam” as desigualdades por estas geradas. Com base em definições do que é ser homem e/ou mulher edifica-se um sistema de discriminação e exclusão  das mulheres, que comporta vários estereótipos. O feminino e o masculino são apresentados como categorias opostas, excludentes e hierarquizadas, nas quais a mulher, os valores e os significados femininos ocupam posição inferior.

camtra2

A diferença de gênero ainda é muito presente na educação de uma forma geral. A ideia de que ao homem cabe o “público”, as disciplinas exatas e um comportamento mais transgressor e as mulheres o “privado”, as disciplinas humanas e ser bem comportada, para ficar em alguns exemplos, ainda existe e é amplamente reproduzida. A escola, como instrumento de educação que é, ainda faz circular muito desses significados em suas práticas e no seu cotidiano. A escola como instância social é dotada de instrumentos de produção/reprodução dos valores sexistas e de instrumentos que operam através de categorias simbólicas.

camtra3
(Fonte: The Telegraph /UNESCO)

Assim, ao pensar a igualdade e a democratização do ensino escolar, nada pode ficar alheio ao enfoque das relações de gênero, desde as políticas educacionais até as trajetórias de alunas e alunos, o desenvolvimento de currículos, a análise dos livros didáticos e dos recursos pedagógicos, a formação de professores e até os temas que dizem respeito à identidade docente. Estas questões se refletem no cotidiano escolar de diferentes formas, por exemplo: nas expectativas e estímulos diferenciados por sexo, na forma com se lida com a sexualidade e situações de assédio no ambiente escolar, exemplos e “piadas” machistas durante as aulas (“só para descontrair!”).

Lidar com as diferenças sem transformá-las em desigualdades tornou-se um dos grandes desafios das/os educadoras/es na atualidade. Professoras/es têm tido um papel destacado em lutas históricas, das quais temos obtido grandes conquistas. No entanto, ainda é pequeno o trabalho desenvolvido sob a perspectiva de gênero para potencializar a educação como um verdadeiro instrumento de democracia e equidade para o futuro que desejamos. Só assim a escola poderá contribuir para uma sociedade mais justa, à medida que caminhar na direção de uma educação não-sexista, que contribua para superação de preconceitos e para a construção de pessoas comprometidas com a igualdade de direitos.

camtra4

Amanda Mendonça – Associada da CAMTRA, Graduada em Ciências Sociais, Mestre em Educação (UFRJ) , Doutoranda em Política Social (UFF), Professora da UNESA e Coordenadora do OLE.

Julia Zanetti – Conselheira da CAMTRA, cientista social (UFRJ), mestre em Educação (UFF) e técnica em assuntos educacionais (CPII).

Fonte: Camtra