Publicado em: 25 de setembro de 2017

Para marcar os dois anos de lançamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o GT da Sociedade Civil para a Agenda 2030 lança hoje, em São Paulo, seu relatório de monitoramento da implementação dos ODS no Brasil

ACT Promoção da Saúde, Agenda Pública, Aldeias Infantis, Artigo 19, Casa Fluminense, Cineclube Socioambiental “EM PROL DA VIDA”, Fundação Abrinq, Fundação Grupo ESQUEL Brasil, Impact Hub, Instituto Democracia e Sustentabilidade, Plan International Brasil, Programa Cidades Sustentáveis e Impakktus convidam para o lançamento do “Relatório Luz da Sociedade Civil sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, em São Paulo, no próximo dia 25 de setembro, no Aldeia 445 (Rua Lisboa, 445 – Pinheiros).

Hoje, completam-se dois anos do lançamento da nova agenda global para o desenvolvimento sustentável, a Agenda 2030. Junto aos demais países membros da ONU, o Brasil se comprometeu com o alcance dos 17 objetivos e 169 que a compõem ao longo dos 15 anos de sua vigência, e a sociedade civil tem papel essencial no monitoramento deste processo.

O Relatório-Luz foi elaborado por Organizações da Sociedade Civil brasileiras e revela a atual situação do país diante da implementação desta agenda, tendo por foco os sete ODS mundialmente monitorados em 2017 à ocasião do Fórum Político de Alto Nível, realizado pela ONU em julho, em Nova Iorque, onde foi apresentado à comunidade internacional em contraposição ao relatório voluntário do Governo Federal, cuja elaboração se deu a portas fechadas, sem participação da sociedade civil.

O documento identifica legislações e normas explicitamente contrárias às diretrizes dos ODS – com impactos nos sistemas de saúde, educação e seguridade social -, concluindo que, mantido o ritmo atual, o Brasil definitivamente não cumprirá as metas acordadas. Sendo trazidos à análise também o cenário de desemprego e do trabalho indigno, os retrocessos nos campos da segurança alimentar, justiça social e ambiental, e o desmantelamento de conquistas básicas nos campos dos direitos humanos, inclusive dos direitos sexuais e reprodutivos.

Fruto do trabalho de diversas entidades renomadas e de grande representatividade da sociedade civil organizada do país, o relatório elenca os desafios para a implementação desta agenda, assim como apresenta propostas sobre como superá-los. A coleta e a análise do conjunto de dados, informações e evidências foram feitas por peritos do GTSC A2030 nas respectivas áreas trabalhadas,
O relatório detalha a situação do país em relação à Pobreza (ODS1), à Fome (ODS2), à Saúde (ODS3), à Equidade de Gênero (ODS5), à Indústria e Infraestrutura (ODS9); aos Oceanos, Mares e Recursos Hídricos (ODS14) e aos meios de implementação da Agenda 2030 (ODS17). E já repercutiu no jornal britânico The Guardian e no portal das Nações Unidas.