Publicado em: 27 de julho de 2018

A implementação do projeto da organização não governamental FASE proporcionou o desenvolvimento da agroecologia familiar local e a minimização do êxodo rural de jovens baianos

Por Lorena Alves, do Observatório

Ampliar e consolidar alternativas de geração de renda, segurança alimentar e nutricional para jovens agricultores. Esse é o objetivo do projeto “Jovens Gerando Renda na Agricultura Familiar”, desenvolvido entre 2013 e 2015 pelo programa da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE), na Bahia, em sete municípios do Vale do Jiquiriçá e do Baixo Sul. Jovens dessas comunidades rurais recebem assessoria técnica para a construção e socialização de conhecimentos sobre práticas agroecológicas.

A proposta foi pensada coletivamente com o intuito de construir alternativas de desenvolvimento baseadas na sustentabilidade ambiental, justiça social e na redução das desigualdades, estimulando a permanência inteligente da juventude no campo. Com essa intervenção educativa, eles puderam qualificar suas produções e elevar suas rendas, promovendo também a soberania alimentar, o fortalecimento da agricultura familiar e a diminuição do êxodo rural nas comunidades locais, além da participação em associações, sindicatos e cooperativas.

Conheça o Banco de Práticas Alternativas

Segundo o site da FASE-BA, é frequente encontrar jovens que afirmam jamais terem tido a oportunidade de conhecer outras comunidades onde famílias agricultoras trabalham em contextos semelhantes aos seus, vivenciando os mesmos problemas e buscando alternativas de produção, e de organização, para enfrentarem e superarem adversidades. “Esse projeto da FASE veio para incentivar a pessoa trabalhar e permanecer na zona rural produzindo com qualidade, consciência e respeito ao meio ambiente – nossa principal luta”, diz Antônio Jesus das Virgens, um dos integrantes do projeto, da Comunidade do Piau localizada em Presidente Tancredo Neves – BA.

Foram desenvolvidas atividades de assessoria técnica aos jovens em suas propriedades familiares, além da multiplicação dos conhecimentos com 700 famílias agricultoras das 28 comunidades, entre outros exercícios. Com a formação social e produtiva realizada, a iniciativa possibilitou o aumento das produções e a permanência desses jovens agricultores no campo, com renda e dignidade.

(Foto: MDA/FIDA/Ubijara Machado)

___

O projeto “Jovens Gerando Renda na Agricultura Familiar” integra o Banco de Práticas Alternativas, uma iniciativa da Abong em parceria com o Iser Assessoria integrante do Projeto Novos Paradigmas de Desenvolvimento – pensar, propor, difundir.

Saiba mais sobre a experiência e conheça o Banco de Práticas Alternativas!