Publicado em: 8 de novembro de 2019

Para Flávia Valéria Cassimiro Braga, docente na UEG, a iniciativa é muito importante, pois oportuniza a essas pessoas terem mais acesso

Por Geanderson Reis, da Cardume(*), com informações da CeCom|UEG

Em tempos de desconstrução do outro e de rejeição a tudo aquilo que consideramos “diferente”, incluindo imigrantes e refugiados[1], a Universidade Estadual de Goiás (UEG) dá uma lição de diálogo e acolhida e abre inscrição para o processo seletivo especial do programa de acesso à educação superior para refugiados e portadores de visto humanitário no Brasil.

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até o dia 14 de novembro, presencialmente, em algum dos campus da UEG. O candidato deverá comparecer munido de documento de identificação e CPF. O processo não possui taxa. Confira no edital a documentação e os procedimentos necessários para garantir sua participação.

Para Flávia Valéria Cassimiro Braga, docente na UEG, a iniciativa é muito importante, pois oportuniza a essas pessoas terem mais acesso. Flávia, que dá aulas de sociologia e antropologia, defende que todos precisam estar atentos para que conquistas como essa – que é oferecida pela UEG – não sejam suprimidas em programas de cortes. “Vivemos tempos em que a retórica é cortar e cortar. No entanto, os cortes afetam, em sua maioria, aqueles e aquelas que mais precisam. Não podemos ficar indiferentes em relação a isso, ainda mais quando se trata de populações que precisam de apoio e acolhida”, defende.

Curso

Ao se inscrever, o candidato deve indicar o curso que deseja concorrer e a cidade onde deseja realizar as provas. O candidato classificado dentro do número de vagas por curso será convocado por meio de Edital que será publicado no site da UEG, no link Editais, para escolher até 3 opções dentre as turmas (campus/cidade/modalidade/turno) confirmadas para se matricular, sendo obrigatória a opção de pelo menos uma delas.

Provas

A avaliação será realizada em uma única fase, constituída de prova objetiva e prova de redação, a serem realizadas no dia 15 de dezembro.

Para os candidatos ao curso de Arquitetura e Urbanismo, será aplicada uma avaliação de habilidade específica, que será realizada dia 24 de novembro.

O resultado final com a lista de nomes dos candidatos classificados será divulgada no site www.nucleodeselecao.ueg.br, no dia 11 de fevereiro de 2020.

Status de refugiado

Conforme o Alto Comissionado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), são reconhecidos como refugiados as pessoas que foram obrigadas a deixar seu país de nacionalidade devido à grave e generalizada violação de Direitos Humanos[2], conflitos armados ou perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas. Para esses indivíduos, é perigoso regressar ao seu país de origem, por isso, precisam buscar refúgio em outro lugar.

Visto humanitário

No Brasil, o visto humanitário está previsto na Lei nº 6.815/1980, e foi concedido à população haitiana em 2012[3] devido ao agravamento de suas condições de vida em decorrência do terremoto ocorrido no Haiti, em janeiro de 2010.

Em 2013, o visto humanitário também foi estendido às pessoas afetadas pelo agravamento do conflito armado na Síria[4].

Serviço

Processo Seletivo Especial para refugiados e portadores de visto humanitário

Prazo de inscrição: até 14 de novembro

Local: nos campus da UEG

Mais informações:

www.estudeconosco.ueg.br

www.nucleodeselecao.ueg.br

[1] http://www.ihu.unisinos.br/185-noticias/noticias-2016/558802-pesquisa-revela-alta-rejeicao-a-refugiados-e-imigrantes-no-mundo

[2] https://nacoesunidas.org/direitoshumanos/

[3] https://www.camara.leg.br/noticias/465112-governo-brasileiro-continuara-emissao-de-visto-humanitario-para-haitianos/

[4] https://www.acnur.org/portugues/2013/09/24/sirios-terao-visto-humanitario-para-entrar-no-brasil/

(Foto: Divulgação)

(*)CARDUME – Comunicação em Defesa de Direitos é uma rede que reúne organizações e movimentos da sociedade civil para ações articuladas de comunicação que potencializem a promoção e defesa de direitos e bens comuns.