Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Entidades da sociedade civil do estado se articulam para compartilhar análises e construir soluções emergenciais. Movimentos organizam Marcha da Água para quinta (26)

aula
Foto: Rede Brasil Atual

Frente à falta de água na região Sudeste, em especial no estado de São Paulo, movimentos e organizações da sociedade civil se mobilizam para compartilhar análises e possíveis soluções emergenciais. Com a proposta de articular a sociedade civil organizada de São Paulo, a Aliança pela Água e a Assembleia Estadual da Água realizaram, no dia 24, uma aula pública em frente ao vão do MASP, em São Paulo. Na quinta-feira (26), mais movimentos se unem em Marcha da Água, para cobrar compromisso do governo.

Para Marússia Whately, coordenadora da Aliança, a má gestão dos recursos hídricos vulnerabilizou o fornecimento de água e o sistema sanitário do estado. “É falta de qualidade e não de quantidade”, afirma. A organização de um racionamento prévio e a transparência na gestão, para ela, poderiam ter impedido a grave situação atual, que ainda é acentuada pelas alterações climáticas.

No início de fevereiro, a Aliança pela Água, grupo formado por entidades da sociedade civil, apresentou um plano de emergência com soluções de curto e médio prazo. O documento, que ressalta a responsabilidade do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) pela crise hídrica, foi ignorado pelo governador.

A proposta da Aliança, junto com a Assembleia Estadual da Água, é realizar agora uma força tarefa da sociedade civil para fornecer informação para a população, já que, para os movimentos, os discursos da grande mídia e do governador não refletem a realidade da crise. A ideia é mobilizar mais pessoas para pressionar o governo por medidas urgentes e trabalhar para a segurança e saúde da população, principalmente em regiões periféricas.

Para Andréia Bianchi, da Assembleia Estadual da Água, é preciso encontrar meios de garantir que a pouca água restante seja voltada para o uso humano e em serviços essenciais como escolas, hospitais e bombeiros. Uma vez que a população pobre encontra-se em maior vulnerabilidade, Bianchi propõe que a população exija um programa de distribuição de caixas d’água, caminhões pipa em regiões mais afastadas, incentivo ao uso de cisternas, congelamento no preço da água e até mesmo uma política de estabilidade de emprego, já que muitas empresas e indústrias podem começar a demitir funcionários com a diminuição do recurso.

“Apesar dos fatores naturais, foram decisões políticas que causaram a crise hídrica, como não investir no sistema de armazenamento, a não preservação de áreas de mananciais e a aprovação do novo Código Florestal, que diminui as áreas de preservação ambiental”, critica.

Soluções

Para César Pegoraro, da Fundação SOS Mata Atlântica, a situação de crise traz oportunidades de mudanças estruturais, que alterem a relação que a população possui com o recurso natural. “A partir do momento em que as ocupações de extremos das periferias ocorrem, essas áreas precisam ser saneadas imediatamente”, afirma. Para ele, é preciso apostar num saneamento ambiental dentro das cidades, requalificando áreas periféricas, ampliando as fontes de abastecimento e incentivando mudanças nos hábitos da população.

Pablo Ortellado, professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP, acredita que existam desafios concretos para a sociedade civil, em relação a soluções imediatas. Em sua opinião, não há hoje uma organização legítima que dê orientação política para uma crise dessa magnitude. Para ele, é preciso uma organização popular capaz de mobilizar e convocar a população. Caso contrário, a revolta geral poderá ser inevitável, assim como a violência policial e a criminalização das próximas manifestações. “Temos uma responsabilidade histórica de resolver essa crise. As respostas que encontrarmos servirão de modelo para outras metrópoles”, afirmou.

What's your reaction?
0Sorrindo0Lol0Ual0Amei0Triste0Bravo

Deixe um comentário

Acesse o banco de Práticas Alternativas

Conheça experiências reais que unem a justiça social, radicalização da democracia e harmonia com o meio ambiente

Encontre o Observatório nas redes sociais
Assine e acompanhe o Observatório da Sociedade Civil

    Realização

    Apoio

    Apoio

    Apoio

    Apoio

    Copyright © 2022. Todos os direitos reservados à Abong.