Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

A crise hídrica, que está se acirrando em algumas regiões do Brasil, especialmente o Sudeste, é explicada, diariamente, pelos jornais da chamada grande mídia como uma crise de falta de chuvas. De fato, o volume de precipitação nessas localidades tem sido menor do que o esperado, mas não é isso que fecha a conta. Portanto, movimentos sociais, trabalhadores, associações de moradores, ambientalistas querem esclarecer: quem realmente são os responsáveis pela crise?

A questão será amplamente debatida no próximo dia 20 de março com a realização do “Tribunal Popular da Água”. Este será um grande júri que avaliará o papel dos governos no modelo de gestão da água, a influência do poder econômico no setor, a omissão com obras e medidas de garantia do abastecimento humano, como ocorre no Estado de São Paulo, governado por Geraldo Alckmin, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

A iniciativa está sendo desenvolvida pelo Coletivo de Luta pela Água, criado no último dia 20 de janeiro por 10 entidades que buscam evitar a penalização exclusiva da população pobre das grandes cidades com o racionamento desse recurso. Um dos pontos defendidos pelo grupo é a decretação imediata do estado de calamidade para que seja priorizado o atendimento humanitário, principalmente aos mais atingidos e vulneráveis pela crise hídrica.

“O que precisamos fazer é o pedido de interrupção, na Sabesp [Companhia de Água e Esgoto de São Paulo], de todas as medidas que não priorizem o abastecimento para a população. A questão dos contratos que a Sabesp tem com empresas, como shopping centers, por exemplo. Se não for para abastecer a população, pediremos a suspensão desses instrumentos”, declara Adi Lima, presidente da CUT [Central Única dos/as Trabalhadores/as].

Cobertura colaborativa

Multiplicar e diversificar os olhares sobre a falta de água para além dos meios de comunicação tradicionais. Este é o objetivo que reuniu coletivos independentes de jornalismo, fotógrafos, videomakers e outros comunicadores no projeto “A Conta Da Água”. Trata-se de um processo colaborativo de apuração e divulgação de informações e notícias sobre a crise.

O trabalho também visa a favorecer a democratização do acesso à riqueza hídrica. Entre os grupos participantes estão a Mídia Ninja, o jornal Brasil de Fato, a Revista Fórum e o Centro de Estudos Barão de Itararé.

Acompanhe no site: https://medium.com/a-conta-da-agua/.
Com informações de Brasil de Fato.
Fonte: Adital

What's your reaction?
0Sorrindo0Lol0Ual0Amei0Triste0Bravo

Deixe um comentário

Acesse o banco de Práticas Alternativas

Conheça experiências reais que unem a justiça social, radicalização da democracia e harmonia com o meio ambiente

Encontre o Observatório nas redes sociais
Assine e acompanhe o Observatório da Sociedade Civil

    Realização

    Apoio

    Apoio

    Apoio

    Apoio

    Copyright © 2022. Todos os direitos reservados à Abong.